Complexo da Pampulha

BELO HORIZONTE – MINAS GERAIS

Reestruturando um ícone de Belo Horizonte

Belo Horizonte é um dos grandes centros urbanos brasileiros, de fácil acesso e em posição estratégica nos mapas geopolíticos do país. Fundada em 1897, a cidade foi construída de forma planejada. A represa da Pampulha foi construída entre 1936 e 1937 para abastecimento de água da região, sendo implementado ali, uma década mais tarde, o complexo de lazer e turismo da Pampulha.

Com o objetivo de construir uma imagem de uma metrópole moderna e inovadora, o complexo contou com obras do arquiteto Oscar Niemeyer, Roberto Burle Marx e grandes artistas plásticos como Portinari, Ceschiatti, José Pedrosa, dentre outros. Diversos edifícios e equipamentos públicos foram implementados no complexo, mantendo sua destinação até os dias de hoje, voltada para a cultura e o lazer. O Conjunto Arquitetônico da Pampulha foi tombado como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco em 2016.

Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) e contempla uma análise da região da Pampulha para desenvolvimento de uma visão de futuro, programa de usos, zoneamento e masterplan para as diferentes áreas de visitação do complexo, identificando oportunidades e novas dinâmicas que potencializam sua atratividade e estruturam estratégias para a gestão de seus equipamentos e serviços.   

A distância entre o centro de Belo Horizonte e o Complexo é de aproximadamente 10 km. A região engloba equipamentos protagonistas para a cidade como a Lagoa da Pampulha, o Aeroporto, o Estádio do Mineirão, o Campus da UFMG, a Fundação Zoo-Botânica, o Parque Ecológico e o Parque Veredas.

legenda: 1) situação atual; 2) proposta.

Atualmente, a Lagoa é a protagonista do complexo e os atrativos concentram-se em seu entorno. Há potencial de diversificação dos atrativos e atividades no entorno e a região pode se tornar o principal espaço público da cidade atraindo, inclusive, visitantes de seu entorno.

Foram identificadas duas macroáreas de visitação de forma a direcionar o desenvolvimento do diagnóstico e das propostas. O Núcleo Lagoa engloba sua orla os atrativos diretamente vinculados à mesma.

O Núcleo Parques compreende o sistema de parques ao sudoeste. Um extenso diagnóstico permitiu analisar as principais condicionantes de cada núcleo, sua relação com o entorno imediato, infraestrutura existente, a identificação das necessidades dos stakeholders, dentre outros aspectos. 

legenda: 1) zoológico; 2) jardim botânico; 3) parque ecológico;
4) conjunto arquitetônico da Pampulha; 5) perímetro da lagoa.
legenda: cenários.

A proposta visa fortalecer a Lagoa como um espaço público, ressaltando-a como recurso paisagístico e turístico, por meio da implementação de novos programas e usos, como a ativação relacionada ao transporte/passeio fluvial e a criação de um percurso fluvial que melhor conecte o visitante com as águas, seja por meio de novos espaços de contemplação como mirantes e deques, seja por equipamentos de apoio na orla ou até mesmo flutuantes.

legenda: 1) ampliação das áreas de lazer; 2) implantação de quiosques e restaurantes; 3) requalificação da orla para atividades de lazer.

É proposta uma conexão fluvial entre a estação de BRT Pampulha, o Conjunto Arquitetônico e o Parque Ecológico. Uma linha de ônibus turístico é prevista no perímetro da Lagoa, conectando todos os pontos de interesse, incluindo os parques. Os dois sistemas de transporte propostos conectam-se por meio de estações de interligação.

legenda: 1) parada do passeio fluvial; 2) parada do ônibus turístico.
legenda: 1) usos atuais; 2) proposta.

Buscando ressignificar e fortalecer a relevância dos zoológicos como espaços fundamentais para promover a conservação e preservação de espécies, a proposta parte de referências contemporâneas de zoológicos em todo o mundo, propondo um equipamento plural – o Parque Zoobotânico – com melhorias nas instalações e nova dinâmica de visitação, incorporando o Jardim Botânico e outros atrativos, como o Aquário, como parte de uma experiência de visitação integrada e fundamentada em ferramentas de educação e conscientização ambiental.

O conjunto de parques tem potencial conexão com o Parque Zoobotânico. O Parque Veredas se mantém como área de conservação ambiental, possibilitando essa conexão futura. O Parque Ecológico recebe programa de usos visando sua configuração como parque urbano, distribuídos conforme zoneamento identificado entre área para eventos, recreação, lazer e contemplação; memorial; esportes; gastronomia; e serviços, como administração, receptivo e estacionamento.

legenda: 1) zoneamento; 2) masterplan; 3) atividades.