Florestas Nacionais de Canela e de São Francisco de Paula

CANELA E SÃO FRANCISCO DE PAULA – RIO GRANDE DO SUL

Conhecer, conservar e preservar

Uma Floresta Nacional (Flona) é uma Unidade de Conservação de Uso Sustentável, criada com o objetivo básico de uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e pesquisa científica voltada para a descoberta de métodos de exploração sustentável dessas florestas nativas. A visitação pública é permitida, condicionada às normas estabelecidas para o manejo da unidade.

As Flonas de Canela e de São Francisco de Paula possuem poucas atividades de uso público diante de seu enorme potencial, dotadas de espaços de grande beleza natural e atrativos ainda não estruturados para visitação.

O estudo faz parte do Projeto “Desenvolvimento de Parcerias Ambientais Público-Privadas para gestão de UC” (PAPP), que visa ao estabelecimento de modelos de gestão fundamentados no estabelecimento de arranjos institucionais e modelos de parcerias público-privadas voltados para o aproveitamento sustentável das potencialidades econômicas das Flonas. Assim, teve como objetivo melhorar a gestão e a conservação da biodiversidade, bem como a geração de benefícios sociais e econômicos para as populações residentes e do entorno.

As Unidades de Conservação (UC) estão inseridas na Região das Hortênsias onde o turismo já é bastante consolidado. Analisar a relevância turística do entorno foi o primeiro passo do desenvolvimento do estudo, o que permitiu identificar as diversas atividades, atrativos, usos e serviços que podem influenciar a demanda nas Flonas, resultando num panorama socioeconômico do território.

1) 95% Atividades recreativas; 2) 44% Atividades aquáticas; 3) 39% Comércio; 4) 33% Eventos; 5) 44% Hospedagem; 6) 95% Alimentação; 7) 22% Educação ambiental.

A partir da análise de 18 atrativos da região pudemos observar a recorrência das atividades nos locais, verificando que as Flonas estão inseridas em uma área de extrema relevância ambiental, onde as atividades ligadas ao ecoturismo / atividades recreativas já são bem consolidadas.

Além da oferta turística da região, o diagnóstico permitiu extrairmos os elementos mais importantes para conceituação do projeto, desenvolvimento do uso público das Flonas e estruturação de parcerias. Localização, acesso, caracterização socioeconômica da população, perfil dos turistas, caracterização ambiental, identificação das estruturas e atividades atuais de uso público foram alguns dos pontos estudados.

1) atividades recreativas; 2) alimentação; 3) hospedagem; 4) transfer e estacionamento; 5) ações ambientais; 6) comércio; 7) eventos; 8) bilheteria; 9) educação ambiental; 10) atividades aquáticas.

Uma gama diversificada de atividades e serviços foi proposta buscando atrair novos visitantes às UC. Além da estruturação de serviços como bilheteria, alimentação e transporte, planejou-se a implementação de atividades de recreação e ecoturismo, atividades na água como banho e esportes aquáticos, hospedagem incluindo tipologias diversificadas na região como glamping, comércio para exposição e venda do artesanato local, realização de eventos, atividades e elementos de educação e interpretação ambiental.

As Flonas apresentam características e perfis diferentes: a Flona de Canela apresenta potencial para atividades turísticas culturais e de charme, enquanto a Flona de São Francisco de Paula tem um maior apelo para atividades naturais, com potencial de atração de usos mais integrados à natureza com infraestrutura rústica. Assim, a construção da Matriz de Atividades considerou atividades e serviços considerados únicos e que dependem das condições naturais e das especificidades de cada território.

Desenvolvido por equipe multidisciplinar, o estudo também contemplou a elaboração de instrumentos jurídicos de parcerias aplicadas às UC, modelagem econômico-financeira preliminar, análise do custo benefício do modelo de gestão e minutas dos instrumentos jurídicos.