Masterplan Pedra Balão

POÇOS DE CALDAS – MINAS GERAIS

Desenvolvimento rural sustentável

Localizada na área rural do município de Poços de Caldas, em Minas Gerais, a Fazenda da Serra se situa ao lado do Parque Municipal da Serra de São Domingos, que integra a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. A área possui 604 hectares em uma altitude superior ao núcleo urbano.

Apesar de estar situada na área rural, a Fazenda está próxima ao centro de Poços de Caldas e pode ser acessada pela Estrada da Pedra Balão (3,1km), que também conecta relevantes atrativos turísticos, como o Cristo Redentor, o antigo teleférico e a Rampa de voo livre. Na Fazenda da Serra estão localizados importantes atrativos, a Pedra Balão e a Pedra do Dedo de Deus, que atualmente estão abertos ao uso público.

Os estudos têm como objetivo criar uma identidade única para o desenvolvimento da área. O conceito do projeto busca o desenvolvimento rural sustentável, através da proteção e preservação do patrimônio ambiental e cultural, aliado ao ecoturismo e hospedagem.

Situada na área rural do município de Poços de Caldas, a área encontra-se próxima ao núcleo urbano e contígua a Unidade de Conservação (UC) do Parque Municipal da Serra de São Domingos (PMSSD).

O projeto se estruturou em três etapas: o diagnóstico, a visão de futuro para a área e o desenvolvimento do masterplan. Na etapa de diagnóstico realizamos análises que vão da escala do Município de Poços de Caldas, para identificar o seu perfil enquanto destino turístico, à escala da Fazenda da Serra, identificando todos os seus condicionantes físicos, ambientais, urbanísticos e legais.

  • Condicionantes ambientais / Desafios e potencialidades

Na etapa de diagnóstico foram desenvolvidas análises dos condicionantes ambientas da Fazenda da Serra, de hipsometria, declividade e Áreas de Preservação Permanente (APP).

  • Hipsometria

A Fazenda da Serra possui uma variação altimétrica de cerca de 535 metros, variado da cota 1020 até a 1555. O mapa auxilia na compreensão da topografia do terreno, com a identificação dos pontos mais altos e potencial de visadas.

  • Declividade

O cálculo da declividade do terreno é fundamental para a compreensão das áreas com maior grau de dificuldade quanto a ocupação, assim como a identificação das restrições legais para o uso do solo com relação às APPs de topo de morro.

  • Declividade Embrapa

O terreno é predominantemente ondulado (4.57 a 11.31 graus ou 8 a 20%). A análise da declividade do terreno indica a conformação de um relevo do tipo forte ondulado ao centro do terreno.

  • APP

As Áreas de Proteção Permanente (APP) são áreas protegidas, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Na Fazenda da Serra estão presentes APPs de nascente, cursos d’água e topo de morro.

legenda: 1) Condicionantes ambientais: a) Zona de Amortecimento do PMSSD; b) Núcleo de Acesso Existente; c) Atrativo Dedo de Deus; d) Área de APP – Declividade > 45°; e) Potencial Paisagístico; f) Acesso próximo ao centro; g) Área de APP – Topo de Morro; h) Potencial Hídrico; i) Atrativo Pedra Balão; 2) Hipsometria; 3) Declividade; 4) Declividade Embrapa; 5) APP.
legenda: 1) Núcleo Ecoturismo; 2) Núcleo Floresta; 3) Núcleo Mirante; 4) Núcleo Cabanas; 5) Núcleo do Lago.

A visão de futuro da Fazenda da Serra abrange três pilares de uso, que correspondem a núcleos: o parcelamento rural sustentável, o ecoturismo e a hospedagem.

O parcelamento com caráter rural sustentável promove a recuperação e preservação do ambiente natural, com intervenções integradas à natureza, e a manutenção do caráter rural, com a produção de azeite de oliva.

O desenvolvimento do ecoturismo busca consolidar o uso público dos atrativos e fortalecer um turismo de base sustentável, com o desafio de qualificar a visitação, com a melhoria das infraestruturas existentes e oferta de serviços.

A hospedagem proporciona um refúgio no ambiente natural, com vistas privilegiadas da paisagem e arquitetura integrada à natureza.

As principais premissas para o desenvolvimento do masterplan foram: a conectividade do Parcelamento Rural Sustentável (PRS), com o máximo aproveitamento das vias existentes, diminuindo o impacto no ambiente natural; a preservação do sistema verde e azul; a criação de trilhas e experiências de imersão na natureza; a preservação e valorização da paisagem natural e das suas visadas; a manutenção do caráter rural sustentável, com taxas de ocupação mínimas e distância entre as edificações; o desenvolvimento do ecoturismo e hospedagem, com a melhoria da qualidade de visitação e novas infraestruturas; a localização e reserva de parte das glebas para o plantio de oliveiras em sistema de produção integrada.

legenda: 1) Conectividade: Aproveitamento de vias existentes e criação de novas conexões; 2) Sistema verde e azul: preservação dos recursos naturais, como cursos d’água, nascentes e vegetação nativa; 3) Imersão na natureza: criação de circuitos de trilhas e atividades de imersão; 4) Visadas: valorização e preservação das visadas para o entorno; 5) Rural sustentável: manutenção do caráter rural sustentável, distância e privacidade entre as edificações; 6) Ecoturismo: qualificação do núcleo de ecoturismo, com novas infraestruturas e hospedagens.

O núcleo do Parcelamento Rural Sustentável (PRS) possui 89 glebas, com áreas que variam entre 2 hectares (módulo mínimo rural) e 3,2 hectares. Além das glebas, o PRS conta com um núcleo de acesso, com Ecoparques (áreas de preservação do ambiente natural) e um Centro Equestre. O PRS será subdividido em 3 fases de execução.

No núcleo de ecoturismo estão localizados os atrativos turísticos novos e os consolidados, a Pedra Balão e o Dedo de Deus.

No núcleo de hospedagem estão localizadas as cabanas imersas na natureza e as infraestruturas de apoio.

O núcleo de ecoturismo e de hospedagem corresponde a área de uso público do PRS, onde estão localizados os atrativos da Pedra Balão, o Dedo de Deus e as cabanas imersas na natureza. O núcleo será requalificado, com a implantação de novas infraestruturas e serviços, buscando um turismo de base sustentável.

Na área da Pedra Balão propomos a criação de uma Praça de Chegada, um espaço público para a contemplação da pedra e o descanso, onde também está localizado um novo restaurante. Dentre os novos atrativos propostos estão arvorismo, tirolesa e a estruturação de uma trilha bem sinalizada e com mirantes.

As hospedagens estão inseridas em uma área de encosta do terreno, com uma vista privilegiada da paisagem em meio a natureza. Propõe-se a implantação de 15 cabanas, que podem ser ampliadas no futuro, inclusive através da expansão para outras áreas do terreno.

Um orçamento preliminar foi desenvolvido para o Masterplan, incluindo os benefícios e despesas indiretas (BDI), para dar um valor referencial do volume de investimentos necessários para a sua implantação.