Parque Estadual Capivari

Campos do Jordão – São Paulo

Renovação do turismo em Campos do Jordão

O Parque Capivari está localizado no bairro Capivari, ponto central de encontro dos que visitam Campos do Jordão. A região caracteriza o centro turístico e comercial da cidade, bastante ativo, com lojas, restaurantes, bares e cafés, além de abrigar eventos e festivais culturais em algumas épocas do ano.

No início do projeto observamos a pouca diversidade de atrações para famílias e crianças que fossem complementares à oferta comercial do centro do Capivari. A própria oferta comercial se tornou ao longo dos anos pouco variada, com muitas lojas de souvenires e venda de produtos similares mais voltados para um turismo de massa. Com isso, parte do público que vai a Campos do Jordão com frequência acaba dando preferência a outros atrativos na região.

O Parque é o grande diferencial do Capivari, como equipamento significativo para promover a transformação e revitalização necessárias na região. Uma das estratégias do projeto visa atrair o público ao Parque ao oferecer novos atrativos com foco em um público de perfil diverso, além de renovar a oferta comercial buscando novos conceitos e produtos que valorizam a região e a produção local.

Desenvolvemos o projeto desde as etapas de licitação até a obra, envolvendo projeto de urbanização, arquitetura, paisagismo e complementares. Também desenvolvemos e implementamos o projeto de sinalização orientativa do parque.

O parque tem grande potencial paisagístico, com destaque para o lago e vistas para o Morro do Elefante, que abriga uma das porções do parque contendo o mirante e a estação do teleférico. O parque abriga a Estação Emílio Ribas e tem grande relevância histórica relacionada à Estrada de Ferro de Campos do Jordão (EFCJ).

Na fase de licitação, realizamos um diagnóstico do parque e seu entorno, avaliando as possibilidades de melhorar seus acessos e conexão com o tecido urbano, além de valorizar os elementos naturais e históricos existentes no lugar. O masterplan e os estudos conceituais desenvolvidos colaboraram para que o cliente vencesse a licitação.

O parque insere-se em uma cota mais baixa em relação ao centro comercial do bairro, o que o deixa em parte visualmente isolado, portanto a topografia é elemento essencial para as soluções projetuais, que buscaram a transição de níveis de forma mais integrada e com fluxos contínuos entre o bairro e o acesso central do parque.

1) Situação atual; 2) Rua – patamares e rampas – praça; 3) Rua – edifício – praça.

O partido do projeto teve como premissa a liberação do espaço central do parque como local de encontro, eventos e contemplação, destacando os elementos preexistentes e naturais. Os novos usos são implementados na periferia da área central, integrados à topografia e conformando uma nova fachada no acesso principal do parque.

O projeto foi desenvolvido em fases distintas, correspondendo às primeiras fases de melhorias nos acessos e estacionamentos, seguida da urbanização do parque e do desenvolvimento das edificações e das intervenções no Morro do Elefante. Entre as fases de urbanização e de construção das novas edificações, propomos uma praça comercial composta por contêineres que oferecem serviço de alimentação e lojas.

Foram trabalhados elementos lineares no mobiliário, piso, guarda-corpo e fachada das edificações, remetendo à história da EFCJ, ao movimento do trem e dos trilhos. O paisagismo cria diferentes cenas ao longo do parque, por meio de manchas de vegetação com texturas e cores diferentes, que mesmo de longe podem ser vistas.

1) Conceito 2) Objetos

O sistema de sinalização orientativa desenvolvido buscou a máxima harmonia em relação aos atributos naturais e históricos do lugar, bem como ao projeto urbanístico e arquitetônico e à marca do Parque. Assim é possível compor os parâmetros e elementos visuais do sistema a partir de sua forma, cores e materialidade. Os suportes de sustentação são verticais e remetem à linearidade, continuidade e ritmo do partido arquitetônico e urbanístico do projeto. Estes, por sua vez, recuperam os elementos e a memória da EFCJ. Os componentes do sistema dividem-se em quatro tipologias, organizadas em grupos referentes ao tipo de informação/comunicação que contém